Anuncios

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Descompactador de arquivos para iPad/iPhone

Boa tarde pessoal, tudo bem?

Para quem usa iPad, algumas funcionalidades básicas do dia-a-dia pode ser um problema em relação a compatibilidade e recursos que ao meu ver deveriam vir como um padrão não só no iPad/Produtos Apple, mas em todos os recursos que podemos utilizar seja para trabalho ou para nosso lazer, estudos, etc.

Já pensou precisar abrir um arquivo compactado com a extensão .RAR no iPad?

Isso mesmo! Nativamente o iPad não consegue abrir esse tipo de arquivo e os arquivos compactados de forma geral.

Segue a dica de um aplicativo que tem me ajudado muito.

Estou falando do Zip tool. Este pode ser baixado na AppStore, sendo que ele possui uma versão Free e claro oferece também uma versão paga.

Para instalar basta clicar no ícone da AppStore, procurar no search por Zip Tool e instalar.


Depois disso basta você selecionar os arquivos .RAR que você deseja abrir e escolher o Zip Tool para que ele possa fazer a descompactação.


Espero que essa dica seja útil para vocês.

Abraço e boa semana!

domingo, 2 de agosto de 2015

Atitude de dono? Como assim?

Olá pessoal! Tudo bem?

O conteúdo de hoje não é técnico, porém para quem trabalha com TI creio que seja algo que se escute bastante:



"Precisamos ter atitude de dono!!!"


Mas afinal, o que é atitude de dono?

Como podemos ter uma atitude de dono, se não somos efetivamante dono? Nem sequer ganhamos o salário que um "dono" ganha.

Bem, primeiramente quero dizer que aqui expresso o que acho, penso e reflito sobre a atitude de dono e o por que talvez seja difícil de conseguirmos encarar isso hoje em dia.
Tenho certeza que muitos estão descontentes com seu emprego, mas na verdade não é com a atividade exercidade ou mesmo com o ramo de atividade que escolheu/atua. Isso está mais relacionado aos moldes que o mercado de trabalho tomou com o passar dos tempos e muito mais ainda relacionado como à sua empresa trata o mercado de trabalho e as pessoas que compõe o seu quadro de funcionários.

Hoje nosso mundo não para, serviços dos mais diversos precisam estar disponíveis 24x7, 365 dias no ano e se este for bissexto 366. Existe a necessidade de plantões, meio para comunicação 24 horas, sendo internet cabeada, wifi, 3/4G, smartphones, notebooks, tablets, etc. Não importa. Praticamente todas as empresas querem vender isso como um diferencial e existe a necessidade de termos serviços e pessoas disponíveis para suportar o que for necessário.

No entanto, uma outra fase percorre muitas empresas e explica uma grande desmotivação de pessoas, estresse acumulado, problemas de saúda diversos: "Faça mais com menos."

Sim, o faça mais com menos, nada mais é do que sugar um recursos o máximo que puder e fazer com que este consiga entrega de trabalho de talvez 2, 3 ou até mais pessoas, por que não?
Essa desproporção faz com que as pessoas se desgastem, fiquem mais estressadas, anciosas, com problemas de saúde e o pior é que elas são conscientes disso.

Por que contém essa parte antes?
Bem do faça mais com menos, teoricamente já estamos fazendo o trabalho de mais de uma pessoa, sendo cobrado ainda mais por isso, talvez aumentando nosso turno e jornada de trabalho para conseguir entregar o que se espera.
Fora isso, ainda temos que ter atitude de dono, se preocupar com os gastos, abraçar coisas que precisam ser feitas fora o que é extritamente atribuido a você.

Vou dar ainda alguns outros exemplos de atitude de dono:

- Uma sala de reunião depois do horário que ficou com a luz acesa, devemos apagar;
- Um problema de vazamento no banheiro, devemos informar para quem deve arrumar;
- Um software que foi comprado, sendo que o que temos hoje poderia ser atualizado ou customizado para atender uma nova funcionalidade;
- Onde podemos reduzir gastos;
- Controle e validação de precisamos de 10 mil lisença de um produto;

Creio que isso é muito válido nos dias de hoje, pois o mundo em que vivemos está cada vez mais sem educação e sem comprometimento das pessoas umas com as outras, porém fica uma pergunta:
- Será que não estão querendo cada vez mais que eu acumule funções quem não são minhas?
- Estão querendo que eu faça o que outra ou outras pessoas deveriam fazer?

De um certo modo é isso sim!!!

Não quero fazer com que você caro leitor, escolha um lado. O de fazer ou não fazer, muito menos que existe o certo ou o errado.
O que aprendi de berço é que em primeiro lugar vem minha educação, respeito e comprometimento.
Algumas atitudes não vão te causar nenhum impacto, nenhum problema, nenhuma "dor".
Sua mão não irá cair por apagar a luz da sala que ficou acesa, você não vai perder a voz por avisar ao responsável pelo manutenção que existe um vazamento no banheiro.

E para os que cobram a atitude de dono, por favor, cada um precisa ter esse comportamento principalmente quando se sentirem confortáveis de fazer, se quiserem fazer.
Não podemos querer que as pessoas sejam da mesma forma que somos, que pensem iguais e muito menos que tenham zelo pelo que não é efetivamente delas.
Não podemos exigir que as pessoas tenham essa atitude, pois ela não tem isso no perfil pessoal dela. Ela não precisa fazer aquilo que não é escopo dela. Ela tem sempre seu livre arbítrio. Lembre-se sempre disso.
A pessoa que é cobrada pela atitude de dono nem sempre tem a liberdade também para tomar determinadas decisões, como pessoas que estão nesta camada de dono o podem fazer. Existe empresas que sequer dão espaço para seus funcionários sugerirem ideias, pensamentos, vontades.
Como podemos então querer que essas pessoas tenham determinadas atitudes?

Eu espero que um dia exista uma sinergia melhor entre empresa x funcionário, onde todos entendam que essa parceria é muito importante, que um novo consegue se sustentar sem o outro e que todos possam se sentir a vontade pelo menos para poder falar, fazer e tomar atitudes para coisas boas, ideias novas e assim todos poderem crescer. JUNTOS.



Fica aqui esse ponto para reflexão e para tentarmos fazer primeiramente da nossa segunda casa, o nosso trabalho, um lugar melhor.
Isso aos poucos irá se extender para camadas maiores e fazer quem sabe um mundo melhor para todos e para as novas gerações que estão vindo por aí!!

Abraços e até a próxima.

Symmetrix VMAX - Part. 8 - Federated Tiered Storage (FTS)

Olá pessoal, tudo bem?

Na parte 8 vamos falar sobre Federated Tiered Storage, para simplificar, vamos tratar apenas como FTS, ok?

Mas afinal, o que é FTS?

FTS é a capacidade do VMAX de usar discos/Luns que estão criada em outro storage array. Essa feature está disponível a partir da Enginuity 58756 para os modelos 10K, 20K e 40K.
Aqui vale ressaltar que essa feature é gratuita, não requerendo nenhuma aquisição de software ou licença adicional.

As luns externas podem ser utilizadas no VMAX como raw storage space para criação  de Symmetrix devices, data sources podem ser encapsulados e a informação pode ser disponibilizada aos hosts pelo Symmetrix.
Os discos que são disponibilizados de outros arrays para o Symmetrix não são protegidos por ele, com isso a proteção deve ser garantida pelo outro array.

Esses devices são os chamados eDisks no VMAX (external disks).

Benefícios do uso do FTS:

Simplifica a gerência/administração pois teremos ao final uma única console de administração, uma única forma de configurações a serem realizadas;
Mobilidade de dados entre storages heterogêneos;
O benefício de virtual provisioning dos arrays externos;
Habilitar as features de replicação (TimeFinder ou SRDF) para uso nos arrays externos;
Extender o uso de arrays externos antigos para que estes façam uso do recurso de tiering;

Algumas práticas de uso:

Continuar usando arrays antigos enquanto eles ainda fazem uso das features da enginuity do Symmetrix;
Proteção de dados nos arrays externos;
Migração de dados entre arrays;

DX Directors

DA eXternal que se comporta apenas como uma DA;
Roda sob Fiber Optic SLICs apenas assim como uma FA e RF emulations;
Lida com LUNs como se fossem drives Symmetrix;



eDISKS

Associado com uma SCSI logical unit externa;
Acessados pela SAN;
Por ser virtual, não possui proteção por RAID;
Refere-se a um external spindle;

External disk group

É criado um virtual group contendo eDisks;
Exclusivamente um disk group external começa com o número 512. External spindle e internal physical spindles não podem ser misturados em um disk group.

Virtual raid group

Creado para cada eDisk;
Não possui proteção no Symmetrix;
A confiança de proteção deve vir do array externo;



Zoning:


FTS virtualization

Temos dois modos de usar um array externo no Symmetrix:
Podemos usar o discos como raw capacity, sendo que neste modo teremos a perda de dados do disco externo;
Encapsular os discos externos de modo que ele preserve os dados originais. Aqui temos dois tipos sendo o standard encapsulation e virtual provisioning encapsulation;

External provisioning
O spindle dos discos são criados e usados como raw capacity para novos Symmetrix devices;
Discos externos aparecem como desprotegidos, pois a proteção deve ser de responsabilidade do array externo;
Virtual provisioning Data Devices (TDATs) podem ser criados nos discos externos;

Agora vamos falar do standard encapsulation e virtual provisioning encapsulation

Standard encapsulation
Cria um eDISK para cada external lun e adiciona no external disk group;
Um Symmetrix device também é criado ao mesmo tempo;
O acesso para uso dos dados deste device é permitido pelo Symmetrix device;

Virtual provisioning encapsulation
Cria um eDISK para cada external lun e adiciona no external disk group;
Um data device totalmente alocado e um Thin device também são criados;
Este thin device pode ser usado para migração usando VLUN migration ou Virtual provisioning;

Para obter as informações de um device, devemos utilizar o seguinte comando:

symdev show




Arrays externos suportados para uso com o FTS:
Todos os arrays Symmetrix VMAX Family possuem suporte ao FTS;

Arrays externos EMC:
Todos os Symmetrix VMAX;
Linha DMX;
Clariion CX3, CX4 (Apenas ALUA);
VNX (Apenas ALUA);

Arrays de terceiros:
HDS;
IBM;
Netapp;
Sun;
HP;

* Recomendo sempre consultar o site da EMC para verificar a nova listagem de arrays externos que são aceitos pelo FTS.

Detalhes de um provisionamento externo
eDISKS são criados e adicionados a um específico disk group external;
* Separado dos grupos de discos que contém discos físicos internos
* Adicionado para um grupo virtual de discos desprotegidos

Sym devices podem ser criados para acesso como raw storage
* VAULT, SFS e ACLX
* Caso contrário será tratado como qualquer outro tipo de Symmetrix device
* Podemos usar TDATs para virtual provisioning

Encapsulating for Standard provisioning
eDISKS são criados e adicionados a um específico disk group external;
* Separado dos grupos de discos que contém discos físicos internos
* Adicionado para um grupo virtual de discos desprotegidos
* Sym devices podem ser criados habilitando acesso aos dados preservados
* Caso contrário será tratado como qualquer outro tipo de Symmetrix device

Encapsulating for virtual provisioning
eDISK e RAID Group são criados;
Data devs (TDATs) são criados e adicionados a um POOL;
Um Thin device totalmente alocado é criado e atribuido a um POOL;
O dado em uma LUN externa é preservado;



Manipulação para eDISKS grandes

São suportados tamanhos de discos maiores do que o suportado pelo device do Symmetrix.
Múltiplos Symmetrix devices podem ser criados se necessário para contabilizar o tamanho total de um eDISK criado caso necessário.
Devices podem ser feitos em um único meta concatenado:
* Aqui nesse caso temos o seguinte cenário, onde por questões de geometria de devices, se um ambiente necessitar de um device de 22GB, teremos que criar meta members de 9GB e assim teremos na verdade 27GB de volumetria. Caso não necessite de equalização quanto a geometria dos devices, podemos criar dois meta members de 9GB e um 4GB ao final não tendo limitação geometrica.
* O tamanho do auto meta member pode ser alterado;

Geometria de disco e encapsulamente

Devido a peculiaridade na forma de tratar o tamanho de devices na Enginuity do Symmetrix, onde temos quinze trilhas de 64k formando um cilindro. 
Por conta disso, a capacidade de um Symmetrix device criado não vai refletir exatamente a capacidade real de um eDisk.
Encapsulando devices, teremos a geometria setada que irá refletir a capacidade real do eDisk.
Os devices encapsulado tem um tamanho maior do que o reportado e do limite geométrico.



Geometria limitada por restrições de dispositivo

Replicação local:
Só pode ser por source devices;
Regras são aplicadas para operações em targets grandes;

SRDF
Pode ser apenas para devices R1;
Regras são aplicadas para operações em R2 maiores;

VLUN
Não pode ser target para migração;
Migração apenas para espaços não configurados;

Metas não podem ser expandidos, dissolvidos ou convertidos;

Como nem tudo são flores, vamos as restrições do FTS...

FTS Restrictions

Apenas para sistemas Open.
Para devices que são encapsulados não podem utilizar FastVP por não ser suportado.
Um POOL não pode conter ambos os tipos de devices (internal e external).
DARE (Data rest encryption) não é suportado para devices externos.
Ferramentas terceiras podem ser necessárias quando necessário usar para medir recursos de performance em relação aos arrays externos.
FCP 8Gb/s e menos são suportadas.

FTS System limitations

A capacidade máxima externa será determinada pelo cache do VMAX.
O número máximo de LUNs  por storage externo para cada porta é de 8000. Por sua vez, a capacidade máxima de uma única LUN externa é de 30TB.
512 portas externas por initiator group e todas as FAs podem ser mapeadas para DX emulation.
14.000 eDisks por par de director DX.
128.000 eDisks por sistema.

Abaixo segue um quadro do suporte FTS pelas features Enginuity:

1)

2)


3)

De certo modo, essa feature é a mesma questão que temos com virtualizadores de storage. Ele consegue fazer usufruto de recursos de espaço de armazenamento de outro array, utilizar suas featues (Raids, controladores, redundância, capacidade de crescimento, heterogenidade, etc) sendo elas boas ou não, e prover através do array VMAX o ponto de storage único para os hosts.

Vale tomar cuidado com algumas limitações quanto a parte utilização dos recursos, conversão de valores na parte de espaço entre os devices do Symmetrix e o raw capacity dos arrays externos.

Recomendo também um estudo de caso na parte do quanto é eficiente deixarmos a segurança em outro array que não o VMAX.

Talvez a forma que o outro array se comporte, pode ser que seja um gargalo para o VMAX e gerar sim algum impacto mais relacionado a performance ou até mesmo a perda de dados.

Abraços e até a próxima.